Empresa chinesa mostra interesse no Projeto Grafita em Ipirá, Bahia

 

Representantes da SAM (Sul Americana de Metais), empresa de capital chinês associada à Honbridge Holdings, realizaram uma visita ao Projeto Grafita, localizado em Ipirá, na Bahia. A comitiva, composta pelos geólogos Judiron Santiago e Luiz Fernando Souza, iniciou a visita conhecendo a litoteca em Simões Filho, onde são arquivados os testemunhos geológicos e geoquímicos da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM). Em seguida, partiram para a inspeção de campo no município, onde foram coletadas amostras para análise.

O interesse da SAM pelo Projeto Grafita foi confirmado durante a visita, e o próximo passo será uma reunião com a diretoria da CBPM para discutir uma proposta mais detalhada. Essa aproximação entre a empresa chinesa e a CBPM teve origem em conversas realizadas durante uma missão na China, onde a mineradora demonstrou empenho e interesse no projeto. A CBPM, por sua vez, esteve presente no país em três ocasiões, sendo a última delas no início de março, com a presença do chefe de Projeto Gemam, Reginaldo do Amaral, além de outros representantes da empresa.

Além da SAM, a empresa francesa Eramet, especializada em mineração e metalurgia com foco na transição energética, também demonstrou interesse nos projetos de mineração na Bahia. Durante uma reunião realizada na CBPM, foi discutida a possibilidade de investimentos em projetos minerários no estado, especialmente na Província do Norte, no médio São Francisco, que possui grande potencial em minerais como níquel, cobre, cobalto, ferro, titânio, vanádio, grafita e fosfato.

Para o presidente da CBPM, Henrique Carballal, a visita do grupo da SAM e o interesse demonstrado pela Eramet representam um retorno imediato da participação da empresa na PDAC 2024, a maior convenção internacional de mineração, realizada no início de março no Canadá. “Essa conversa é resultado do que foi apresentado pela delegação baiana durante todo o evento, especialmente no Brazilian Mining Day, onde palestramos para representantes de diversos países”, afirmou Carballal.

Previous post Ora (direis) ouvir estrelas: Teóloga paranaense lança livro com vivências não convencionais